Links_top

  •   

      

     
segunda, 02 dezembro 2019 12:01

Palestra sobre Tolerância na Universidade Sénior

No âmbito do espaço Cidadania, o Dia da Tolerância e da UNESCO foi o mote para uma palestra na Universidade Sénior de Carregal do Sal, no dia 20 de novembro, proferida pelas professoras Dores Fernandes e Josefa Reis.

Após o enquadramento teórico, com base no conceito da palavra tolerância, cujo significado procurou, através da interação com a plateia, escalpelizar, a docente Dores Fernandes lembrou os Princípios da Tolerância, com base na declaração da UNESCO, a qual reconhece a tolerância como o respeito e valorização das diferenças culturais e aceitação das várias formas de expressão do ser humano. Questionando os estudantes sobre a relação com os direitos humanos, foi unanimemente consensual que a tolerância faz parte da “universalidade dos Direitos Humanos e das liberdades fundamentais de cada um”.

A professora Josefa Reis contextualizou a atividade, lembrando o papel da Escola e do projeto “Dever de Memória – jovens pelos direitos humanos”, na promoção dos valores que devem nortear o crescimento do caráter dos adolescentes e jovens, tendo como farol a ação de Aristides de Sousa Mendes. Explicitou o enfoque do trabalho desenvolvido no âmbito do projeto, sublinhando a necessidade de continuar a fazer sentido assinalar o Dia Internacional da Tolerância, face ao crescimento dos extremismos e conflitos no mundo,

Esta efeméride, celebrada a 16 de novembro, desde 1996, constitui uma oportunidade de reflexão e de pôr em marcha ações para combater os mais variados tipos de intolerância cultural, económica, religiosa, sexual e racial.

De realçar que ainda nos encontramos na Década Internacional para a Aproximação das Culturas (2013-2022), com objetivo de promover o diálogo intercultural. Nesse sentido, recentemente, as Nações Unidas lançaram a campanha “TOGETHER” para promover tolerância, respeito e dignidade em todo o mundo, com especial enfoque na redução das atitudes negativas em relação aos refugiados e migrantes.

Para praticar a tolerância, é preciso saber o que ela significa. De acordo com a Declaração de Princípios sobre a Tolerância da ONU, ela é o respeito, a aceitação e o apreço pela diversidade em todos os seus âmbitos. Não deve ser considerada como uma concessão, mas sim um reconhecimento dos direitos humanos universais e das liberdades fundamentais de cada pessoa. Além disso, ninguém precisa de renunciar às suas opiniões ou convicções para praticá-la – todos são livres, mas devem aceitar, igualmente, a liberdade do próximo.

A concluir, frisou que é premente lembrar a afirmação de Ban Ki-mon “a tolerância começa com cada um de nós, todos os dias”.

Após as intervenções das professoras, foi apresentado um pequeno vídeo sobre a intolerância, ao qual se seguiu um trabalho de reflexão, em grupo, a partir de textos distribuídos, de forma a possibilitar o debate em grande grupo, que se revelou muito participado e enriquecedor.

A sessão traduziu-se numa tertúlia muito interativa, dado que a plateia se revelou muito interessada e com aguçado espírito crítico, tendo ficado o desafio de uma nova sessão logo que possível.

Fica a gratidão, pelo convite, à Enfermeira Joana Carvalho, presidente da Universidade Sénior, e a todos os participantes pelo caloroso acolhimento.

 

Dores Fernandes e Josefa Reis

Ler 128 vezes